quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Opinião, Notícia e Humor

MANCHETES DOS JORNALÕES

JORNAL DE BRASÍLIA
ADVOGADOS DO RIO GRANDE DO SUL QUEREM QUE SENADORA PERCA O MANDATO.

A senadora e possível candidata do PV à sucessão presidencial, Marina Silva (AC), corre o risco de perder o mandato por ter deixado o PT. Em uma ação inédita, um grupo de advogados eleitorais do Rio Grande do Sul pediu ao Ministério Público Federal que questione noTSE (Tribunal Superior Eleitoral) a troca partidária. Ao anunciar que sairia do PT após cerca de 30 anos de filiação, Marina conseguiu o compromisso do partido de que não teria o mandato pedido de volta pelos petistas. Segundo o advogado Joel Cândido, um dos autores da ação, mesmo com o acordo fechado entre a senadora e o comando do PT, cabe ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pedir que o TSE avalie a legalidade da troca partidária.

O GLOBO
REFORMA LIBERA DOAÇÃO OCULTA E USO DA INTERNET NAS ELEIÇÕES

Manifestação de opinião na rede será livre; só anonimato é proibido. O Senado concluiu a votação da reforma eleitoral e derrubou restrições à cobertura jornalística na internet para as eleições de 2010. Pela proposta, aprovada em votação simbólica, a manifestação de pensamento será livre em toda a rede, de sites jornalísticos a blogs, passando por Orkut e Twitter. A Câmara analisará o texto da reforma, mas a parte sobre internet não será mais alterada, pois resultou de acordo partidário. Está liberada a doação oculta, tal como fora aprovada na Câmara: são autorizadas contribuições diretas a partidos, sem identificação do candidato. Os partidos só terão que divulgar os doadores seis meses após a eleição. (págs. 1 e 3)

FOLHA DE S. PAULO
GOVERNO QUER TAXAÇÃO MAIOR NA POUPANÇA

Projeto prevê cobrança de alíquota de 22,5% de Imposto de Renda sobre cadernetas com mais de R$ 50 mil. O governo propõe tributar em 22,5% o rendimento das cadernetas de poupança com saldo acima de R$ 50 mil. Se a proposta for aprovada até o fim do ano pelo Congresso, passará a valer a partir de 10 de janeiro. A cobrança ocorrerá na fonte, mensalmente. No caso de poupadores com mais de uma conta cuja soma ultrapasse os R$ 50 mil, será feita na declaração de IR. (págs. 1, B1 e B3)

O ESTADO S. PAULO
TRIBUNAL AFASTA JUIZ, MAS MANTÉM CENSURA AO "ESTADO"

Vieira é afastado; mesmo assim, sua decisão de cercear o jornal permanece. O desembargador Dácio Vieira, que proibiu o Estado de publicar reportagens sobre operação da Polícia Federal a respeito da família Sarney, foi afastado do processo pelo Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Segundo a decisão, Vieira não tinha mais isenção para continuar no caso, do qual era relatar, já que criticou o jornal ao ser questionado pelos advogados do Estado sobre sua suposta amizade com os Sarneys. Os pares de Vieira não aceitaram a exceção de suspeição pelo alegado vínculo do desembargador com os Sarneys. Se essa exceção de suspeição tivesse sido aceita, a publicação de reportagens estaria liberada. Mas, como Vieira perdeu a isenção somente depois de ter tomado a decisão contra o jornal, a censura está mantido e terá de ser analisada pelo novo relatar. Falando “em tese”, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, disse que é “verdadeira incoerência” manter decisão de juiz considerado suspeito. (págs. 1 e A4)


JORNAL DO BRASIL
COMO FUGIR DO IR SOBRE A POUPANÇA

Divisão de recursos na família e CDBs são opções previstas por analistas. A taxação de depósitos em poupança em valor superior a R$ 50 mil com uma alíquota de 22,5% do Imposto de Renda deve levar poupadores a migrar para os Certificados de Depósito Bancário, segundo analistas ouvidos pelo JB. Os CDBs oferecem rentabilidade idêntica e têm a vantagem de ter liquidez diária. Outra saída para escapar da taxação é a chamada "quebra de CPFs" - a divisão dos recursos entre pessoas da mesma família em contas com valor abaixo de R$ 50 mil. Mas economistas descartam uma saída em massa da poupança. (págs. 1 e Economia A21)

CORREIO BRAZILIENSE
OS INFRATORES DIPLOMÁTICOS

Detran aplicou 1.358 multas em 606 veículos utilizados por representações estrangeiras. Metade da frota ainda precisa se cadastrar no governo do DF . Circulam na capital do país 1.322 carros com placas azuis — veículos utilizados por missões diplomáticas, organismos internacionais e outros. Mas apenas metade deles estão registrados no cadastro do Detran, que baixou uma norma para disciplinar a conduta das representações estrangeiras no trânsito de Brasília. A julgar pelos números da fiscalização, os motoristas dessa frota especial não se importam em dar um mau exemplo internacional. Ontem, às 18h, um deles estacionou um utilitário sobre a calçada perto da Escola Americana, na Asa Sul. De janeiro a 31 de agosto deste ano, a fiscalização aplicou 1.358 multas sobre os veículos diplomáticos. (págs. 1 e 27)

VALOR ECONÔMICO
CVM APERTA O CONTROLE DE RISCO DAS EMPRESAS

Grandes e tradicionais empresas nacionais, como Sadia e Aracruz, foram tragadas pelos prejuízos causados por derivativos "tóxicos" em meio à crise financeira global e a responsabilidade por investimentos de alto risco foi objeto de disputas judiciais entre conselhos de administração e executivos financeiros. A regulação que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) está prestes a adotar, como parte da mudança da instrução 202, de 1993, torna mais difíceis a repetição de aventuras como as que quase afundaram dezenas de empresas nacionais. Ela aperfeiçoa a obrigatoriedade de divulgação da política de gerenciamento de riscos, com a discriminação dos investimentos e a definição das responsabilidades pelas decisões nas aplicações. Com o novo sistema de registro, a CVM vai exigir que as companhias abertas revelem sua política para gerenciamento de riscos de mercado complementando uma instrução de 2008 (a 475), feita as pressas em meio ao pânico para remediar a escassez de informações sobre exposição a riscos. Investimentos realizados em outras sociedades e a explicação de sua importância para a empresa tornaram-se informações obrigatórias. Em toda emissão de títulos (ações, debêntures etc.), essas informações deverão constar do material de divulgação aos investidores. (págs. 1 e D1)

VEJA TAMBÉM...


2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Diba, você publicou um comentário contrário à sua testa-de-ferro?!

    Parabéns! Está no caminho certo.

    O próximo passo é pedir demissão.

    Daí poderá ser um pai com-vergonha-na-cara.

    FORA SARNEY.

    ResponderExcluir